Google+ Followers

domingo, 14 de junho de 2015

Os sapatos

Os sapatos 
 Era uma vez um jovem que saiu de casa calçando uns sapatos novos que tinha comprado na véspera.
Quando os experimentou pareceram-lhe bons, mas agora sentia que eram demasiado apertados. Passadas
algumas dezenas de metros, os pés começaram-lhe a doer.
Começou então a queixar-se aos amigos dizendo.
— Que desgraça! Só me faltava mais esta! Não posso mais!
Enquanto conversava no passeio com um colega, viu passar um coxo a quem faltava uma perna. Contudo, ia a cantar.
Mais adiante, cruzou-se com um cego que, de bengala, ia sorridente, saudando as pessoas. Mesmo sem ver, ele sentia a presença dos transeuntes.
Um pouco mais adiante, ia um jovem com um braço ao peito, que tinha partido numa queda. Contudo, ia a conversar alegremente com os amigos.
O jovem pensou um pouco e disse para consigo:
«Que vergonha! Eu a lamentar-me por causa de uns sapatos e estas pessoas, mesmo sem pernas, olhos e braços, vão felizes!»

As desgraças alheias não nos servem de conforto.
São, porém, um estímulo a não nos queixarmos facilmente das nossas pequenas infelicidades. Devemos ser otimistas incorrigíveis, mesmo quando há nuvens escuras no céu.

Monteiro Lobato

Nenhum comentário:

Postar um comentário