Google+ Followers

domingo, 26 de abril de 2015

POR QUE A TORRADA SEMPRE CAI COM A MANTEIGA PARA BAIXO?


 Você certamente já passou pela experiência de deixar cair um pedaço de pão ou torrada com manteiga.Antes mesmo de chegar ao chão provavelmente você já espera que o lado da manteiga caia virado para o chão. Existe até um ditado que diz: “pão de pobre só cai com manteiga pra baixo”. Mas será que é isso mesmo – obra do destino ou azar? Leia o texto abaixo e vamos tentar descobrir: Por que a torrada cai de ponta-cabeça? Parece perseguição do azar: quando escapa da mão , um pedaço de pão ou torrada sempre aterrissa com a manteiga voltada para baixo. Mas, segundo o físico Robert Matthews, da universidade de Aston, em Birmingham, na Inglaterra, o inevitável acidente não é obra do destino, mas resultado da ação da força de gravidade. 

Depois de passar dias criando e resolvendo complicadas equações, ele chegou à conclusão de que a manteiga sempre vai de encontro ao chão simplesmente porque a torrada não tem tempo , durante a queda , de se virar para cima.

 Quando escorrega de uma mesa de altura média (cerca de 80 centímetros), ela começa a girar no ar. Daí para a frente, o movimento segue o mesmo sentido, ao longo da queda. Para não cair de cabeça para baixo, a torrada teria que dar uma volta bem grande em torno de si mesma, ou seja, percorrer cerca de 270 graus, voltando a face amanteigada para cima. Mas, no final dos 80 centímetros da viagem, ela não tem tempo para isso. Matthews fez os cálculos e concluiu : se não quiser manchar o tapete, melhor comer sua torrada no alto de uma escada. ( Superinteressante , ano 9, nº 10) E então? Que tal a explicação? 

Você se convenceu? Provavelmente sim, e vamos entender por quê. A ciência tem feito descobertas cada vez mais rápidas e complexas, em várias áreas do conhecimento. O tempo todo somos bombardeados com revelações novas e às vezes surpreendentes. E todas estas informações chegam ate nós através de textos, sejam eles orais (em palestras, conversas informais, pela televisão, etc.) ou escritos ( livros, revistas , jornais, etc). Mas será que estes textos são simplesmente relatos imparciais, que se limitam a transmitir um conhecimento real da ciência? Ou é possível que o texto de divulgação científica tenha um caráter argumentativo, isto é, tente nos convencer de uma “verdade”?

 Por incrível que pareça, o texto de divulgação científica tem, sim, a intenção de nos convencer de alguma coisa. Só que ele não faz isso de uma forma explícita, clara. O nosso grande desafio é compreender que estratégias são utilizadas na produção deste tipo de texto, para que sejamos menos ingênuos na sua leitura. Caso contrário corremos o risco de que “façam a nossa cabeça” sem nos darmos conta. Vamos, então tentar descobrir que mecanismos são esses e pensar um pouco sobre o texto de divulgação científica. 

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário