Google+ Followers

domingo, 31 de maio de 2009

As Centopéias e os seus sapatinhos



Naquela manhã, a Centopéia acordou mais cedo.

Era dia de comprar sapatos e ela gostava muito de fazer compras.
Levantou, arrumou a sua caminha e foi para a sala tomar café.

Sua mãe já tinha arrumado a mesa.

O café estava quentinho e havia uns bolinhos de que ela gostava muito.

_ Menina, ande logo, senão vamos chegar muito tarde, e não vai dar tempo de comprarmos todos os sapatos de que precisamos.
Dona Centopéia e sua filha pegaram os seus chapéus e suas sombrinhas, por que estava um sol muito forte e saíram.

Quando chegaram à loja, a Joaninha veio atendê-las: __ Bom dia, Dona Centopéia! Como sua filha está bonita! Fazia muito tempo que a senhora não aparecia.

A Centopéia e sua mãe foram olhar os sapatos que estavam na vitrina.

A Centopéia pediu um vestido vermelho, muito bonitinho.

A Joaninha subiu e desceu a escada, subiu e desceu, subiu e desceu diversas vezes para trazer os pares de sapato para a menina.

A Joaninha colocou todos os sapatos na Centopéia e ela andou um pouco para ver se eles não apertavam os seus pezinhos.
_ Dona Joaninha, estão muito apertados! Não tem nenhum número maior? _ pediu a centopeinha.

E a Joaninha subiu e desceu novamente a escada subiu e desceu diversas vezes para buscar os sapatos maiores.

Quando acabou de colocar os sapatos nos pés da Centopéia, a Joaninha não tinha mais força para levantar .

Dona Centopéia, então, abriu a sua bolsinha :_ Você, hoje, está muito cansada. Amanhã, eu volto para comprar os sapatos.

E a Joaninha desmaiou.
Do livro As Centopéias e seus Sapatinhos de Milton Camargo_ Editora Ática.

Montando a Centopéia e contando de Dez em Dez.













As Centopéias e seus Sapatinhos
Naquela manhã, a Centopéia acordou mais cedo.

Era dia de comprar sapatos e ela gostava muito de fazer compras.
Levantou, arrumou a sua caminha e foi para a sala tomar café.

Sua mãe já tinha arrumado a mesa.

O café estava quentinho e havia uns bolinhos de que ela gostava muito.

_ Menina, ande logo, senão vamos chegar muito tarde, e não vai dar tempo de comprarmos todos os sapatos de que precisamos.
Dona Centopéia e sua filha pegaram os seus chapéus e suas sombrinhas, por que estava um sol muito forte e saíram.

Quando chegaram à loja, a Joaninha veio atendê-las: __ Bom dia, Dona Centopéia! Como sua filha está bonita! Fazia muito tempo que a senhora não aparecia.

A Centopéia e sua mãe foram olhar os sapatos que estavam na vitrina.

A Centopéia pediu um vestido vermelho, muito bonitinho.

A Joaninha subiu e desceu a escada, subiu e desceu, subiu e desceu diversas vezes para trazer os pares de sapato para a menina.

A Joaninha colocou todos os sapatos na Centopéia e ela andou um pouco para ver se eles não apertavam os seus pezinhos.
_ Dona Joaninha, estão muito apertados! Não tem nenhum número maior? _ pediu a centopeinha.

E a Joaninha subiu e desceu novamente a escada subiu e desceu diversas vezes para buscar os sapatos maiores.

Quando acabou de colocar os sapatos nos pés da Centopéia, a Joaninha não tinha mais força para levantar .

Dona Centopéia, então, abriu a sua bolsinha :_ Você, hoje, está muito cansada. Amanhã, eu volto para comprar os sapatos.

E a Joaninha desmaiou.
Do livro As Centopéias e seus Sapatinhos de Milton Camargo_ Editora Ática.

http://alemdocaderno.blogspot.com/










A celebração da Festa Junina surgiu em conseqüência do solstício de verão na Europa, norte da África e Oriente Médio, período em que os povos celtas, bretões, sardenhos, bascos, persas, egípcios, sírios e sumérios realizavam rituais de fertilidade para favorecer o crescimento da vegetação e a fartura das colheitas. Apesar das celebrações serem consideradas pagãs, a Igreja Católica não poderia apagá-las da história dos povos, com isso, foram adaptadas às comemorações da festa de São João, que se originou no dia 24 de junho, dia do solstício.
A festa no Brasil
s dias de São João, Santo Antônio e São Pedro, são no mês de junho, por isso, as comemorações que ocorrem durante todo o mês foram denominadas de “Festa Joanina”, especialmente em homenagem a São João. Segundo alguns historiadores, o nome joanina teve origem nos países europeus católicos no século IV. Quando veio para o Brasil foi modificado para junina. A tradição de comemorar a Festa de São João foi trazida pelos portugueses, logo incorporada aos costumes dos povos negros e indígenas.

Datas da festa

As celebrações têm início no dia 12 de junho, véspera do dia de Santo Antônio e terminam no dia 29 do mesmo mês, dia de São Pedro. Mas o auge da festa ocorre entre os dias 23 e 24, dia de São João.

Dicavalcante

timão

Gui

sábado, 30 de maio de 2009

É festa no arraial







Quebra cabeça da tabuada do 2 e 3

Bicho preguiça




Alfabeto

Visitando o Blog não resisti essa beleza de trabalho. É um blog muito lindo, vale a pena visitar. http://cantinholudicodagre.blogspot.com


A MAGIA DO ALFABETO

NO CASTELO ENCANTADO DA FADA ROSA MORAVAM TODAS AS LETRAS DO ALFABETO. VIVIAM FELIZES E BRINCAVAM MUITO.

UM DIA A FADA AZUL DO CASTELO DOS NÚMEROS CONVIDOU AS LETRAS PARA UMA FESTA, MAS A FADA ROSA NÃO DEIXOU ELAS IREM PORQUE IRIA CHOVER.

ALGUMAS SAIRAM ESCONDIDAS E FORAM À FESTA, E OUTRAS FICARAM (AS VOGAIS). QUANDO VOLTAVAM, CAIU UMA TEMPESTADE COM RAIOS E TROVÕES. UM RAIO CAIU NA LETRA H E ELA FICOU MUDA, AS OUTRAS LETRAS FICARAM MUITO ASSUSTADAS.

AO CHEGAREM NO CASTELO, LEVARAM UMA BRONCA DA FADA ROSA QUE LHES DEU UM CASTIGO: NUNCA MAIS TERIAM SOM PRÓPRIO, SEMPRE TERIAM QUE TER UMA VOGAL ACOMPANHANDO-AS. E ASSIM FOI QUE SURGIU AS VOGAIS E CONSOANTES.




Castelo dos Números da Fada Azul


Castelo das Letras da Fada Rosa













Fantoches de palitos de charrasco:
  • fada Rosa
  • fada Azul
  • letras







Inserindo qualidade na alimentação

Aí vai uma dica para as mães que encontram dificuldade em fazer com que as crianças comam legumes. É facil de fazer e muito saboroso. As crianças aqui em casa adoram. Espero que gostem.

Pão de legumes













Ingredientes

 1 1/2 tablete de fermento para pão - 1 colher (sopa) de açúcar - 1 colher (sopa) de manteiga derretida - 4 colheres (sopa) de óleo - 1 colher (chá) de sal - 2 xícaras (chá) de polpa de cenoura (ou 4 folhas de couve manteiga ou 1 beterraba grande) - 5 xícaras (chá) de farinha de trigo (+/-) - óleo para untar - 1 ovo ligeiramente batido para pincelar - sementes de linhaça e gergelim para polvilhar
Modo de fazer
Para fazer as polpas: a cenoura e a beterraba devem ser cozidas separadamente e com pouca água antes de serem batidas no liquidificador. As folhas de couve manteiga são rasgadas e batidas com água.  OBS: utilize separadamente cada polpa para fazer esta receita   Numa tigela misture fermento para pão e açúcar até que o fermento dissolva. Junte manteiga derretida, óleo, sal e polpa de cenoura (ou de couve ou de beterraba) e aos poucos misture farinha de trigo (se necessário coloque mais farinha de trigo até dar o ponto da massa, que deve desgrudar da vasilha mas não pode endurecer). Tem que sovar bem para que o pão fique macio.  Deixe a massa descansar por +/- 1 hora ou até crescer coberto com papel filme.   Com as mãos, retire pequenas poções da massa e forme bolinhas e coloque numa assadeira untada com óleo e polvilhada com farinha de trigo. Pincele 1 ovo ligeiramente batido, salpique sementes de linhaça e gergelim e deixe crescer novamente até dobrar de tamanho (sempre coberto com um pano de prato).  Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC e asse por 20 a 30 minutos.  Faça a mesma mistura com as outras polpas   Para moldar o pão trançado: divida cada massa em 3 partes. Faça rolinhos e junte as pontas das massas e trance (como uma trança).  Para moldar o pão arco-íris: com o auxílio de um rolo, abra cada massa sobre uma superfície. Coloque as massas uma sobre a outra e enrole como se fosse um rocambole.    Fonte:http://receitas.maisvoce.globo.com